Residencial

Quarto de meninos

Toda criança já sonhou em viver grandes aventuras em lugares inexplorados e, quem sabe, até não encontrar animais extraordinários como os dinossauros!

O quartinho para os pequenos foi pensado para dá-los a oportunidade de viver essas aventuras em um espaço totalmente deles - um ambiente novo em que eles poderão criar suas próprias histórias.

Para isso, a imaginação e a exploração foram evidenciadas. As cabeceiras convencionais foram substituídas por outras iluminadas com formas que simulam montanhas. Para os materiais, o verde pastel foi associado a um MDF amadeirado de aparência mais rústica e um outro com uma textura rochosa. E, por fim, a melhor maneira de ambientar não poderia ser outra: brinquedos! Eles trazem ao quarto todo o ar de diversão que ele precisaria ter.

Desde o nicho de parede para expôr os brinquedos até os ganchos em madeira fixados na lateral do guarda-roupas para pendurar casacos e mochilas, o projeto buscou associar a atmosfera criativa e divertida da infância com a funcionalidade tão necessária na hora dos pais lidarem com o dia-a-dia dos filhos e com o seu crescimento.

O grande desafio para o espaço foi conciliar os usos para as diferentes idades dos irmãos - já que um deles ainda utilizava berço. Para isso, a distribuição do mobiliário foi feita de maneira espelhada: em um dos lados foi colocada uma cama de solteiro para o filho mais velho, e do outro um berço integrado a uma cômoda; dessa maneira, cada um poderia ter o seu cantinho. Essa distribuição permite também que o quarto acompanhe o crescimento dos meninos; já que, conforme a necessidade, o berço pode ser substituído por uma cama e, ainda assim, os dois teriam o mesmo espaço individual.

Pensar um ambiente para alguém sempre pressupõe aprender a olhar por um outro ponto de vista. Nesse caso, apenas olhando de maneira tão ingênua, criativa e com tanta possibilidade de imaginação poderia resultar em um quarto digno das futuras aventuras desses dois irmãos.

E não é que eles conseguiram a ilha dos dinossauros deles?!

Fotografias: Marcelo Calil